Júnio, pleno e sênior: diferenças e salários de cada nível

Júnior, pleno ou sênior: diferenças e salários de cada nível


Júnior, pleno e sênior. Certamente, você já deve ter se deparado com essas nomenclaturas em ocasiões como a busca por um novo emprego, não é mesmo?

Mas afinal, a quê exatamente elas se referem e quais são as diferenças entre cada uma delas?

De forma básica, as nomenclaturas acima se referem à diferenciação dos níveis profissionais de atribuições, responsabilidades, complexidade das tarefas, tomada de decisões e o tempo de experiência, delineando níveis hierárquicos dentro de uma empresa. 

Mas toda empresa tem cargos nesses três níveis? É obrigatório passar pelos três durante a vida profissional? Quanto tempo eu devo permanecer em cada estágio antes de avançar para o próximo? 

Essas e outras perguntas são comuns quando falamos desses patamares de experiência. 

No entanto, vale dizer que não há um padrão específico de regras que delimitam cada um dos níveis, mas sim um entendimento mais geral do que cada profissional deve ou não apresentar em seu currículo ao se candidatar para as vagas, considerando os níveis exigidos.

No conteúdo de hoje, explicaremos mais detalhadamente esses três níveis e como suas atribuições funcionam na prática.

Vamos lá?

O que significa júnior, pleno e sênior?

De forma geral, o júnior é o profissional que está em fase de aprendizado. 

Nesta etapa, ele executa atividades que não trazem alta complexidade e tende a contar com mais prazo para as entregas, avançando gradativamente em suas atribuições. São diferentes, por exemplo, as demandas entre um analista júnior, pleno e sênior

Na outra ponta, temos o profissional sênior. Ele, por sua vez, é responsável por atividades mais complexas e com deadlines mais dinâmicos. Aqui, nessa fase, a responsabilidade sempre é bastante alta.

Entre o júnior e o sênior, está o pleno; o profissional intermediário que está um nível acima do primeiro e um nível abaixo do segundo.

O que é júnior?

O profissional nível júnior está iniciando sua carreira e ainda conta com pouca experiência profissional.

Não é responsável por grandes decisões. O profissional nível júnior costuma ter uma rotatividade nos setores da empresa ou mesmo em apenas um setor, fazendo um pouco de tudo. 

Esse é o momento ideal para quem está construindo a sua carreira aprender as atribuições das mais diferentes frentes, adquirindo uma boa bagagem. 

É a partir daí que o profissional entenderá quais são suas principais competências, no que ele é realmente bom e em qual área dentro do seu segmento quer atuar. 

O que é pleno?

O profissional nível pleno está na fase seguinte ao júnior. 

Aqui, ele já está em constante desenvolvimento da chamada maturidade profissional, ou seja, já possui conhecimento para compreender o cenário que o cerca, para entender como deve realizar tarefas com maior nível de complexidade e também como tomar decisões, mesmo que elas, nesse nível, sejam ainda um pouco restritas. 

O pleno é especializado e deve estar sempre aprimorando suas técnicas de trabalho.

O que é sênior?

O profissional nível sênior lidera equipes e projetos e conta com ampla autonomia para tomar decisões. 

Seu nível de responsabilidade na empresa é alto, e espera-se desse profissional grande capacidade analítica e estratégica, maturidade profissional e conhecimento aprofundado na área em que atua.

Quais as diferenças entre cargo júnior, pleno e sênior?

O que determina a classificação entre os níveis júnior, pleno e sênior é o tempo de experiência profissional e o grau de conhecimento individual. 

Quanto maior o tempo de atuação no mercado, mais chances o profissional tem de assumir um cargo de alta relevância na empresa.

Experiência de mercado como diferencial

O tempo de experiência profissional é um elemento de grande relevância nessa diferenciação entre os níveis, e é primordial quando se fala em plano de carreira, por exemplo, que falaremos no próximo tópico. 

Seja para contratar diretamente em um nível específico, em vagas que já pedem um profissional pleno ou sênior, seja para empresas que investem no crescimento de seus colaboradores, a experiência sempre será fundamental para a mobilidade de cargos.

Desenvolvimento através de plano de carreira

O plano de carreira é uma das principais motivações dos profissionais das mais variadas áreas de atuação. Ele traz para os colaboradores a compreensão de que são ativos valiosos para a empresa e que seus esforços e sua dedicação são recompensados.

Para a empresa, ter plano de carreira é algo muito importante também, pois se traduz em uma redução na rotatividade de funcionários e uma atratividade maior. 

Os colaboradores têm o horizonte do que precisam fazer para crescerem no campo profissional e o quanto eles podem evoluir internamente – de júnior a pleno, e de pleno a sênior. 

Quando bem estruturado, o plano de carreira apresenta aos colaboradores da empresa o que eles podem de fato esperar do futuro. 

Hierarquia

A hierarquia de trabalho com cargos níveis júnior, pleno e sênior delimita nitidamente a função de cada profissional, bem como a quem ele deve recorrer na resolução de problemas mais complexos ou tomadas de decisão. 

De modo geral, o júnior está abaixo do pleno, que por sua vez está abaixo do sênior.

Nível de responsabilidade

O nível de responsabilidade nas tarefas e a complexidade da função são também pontos delimitadores em relação às funções júnior, pleno e sênior. 

Quanto mais elevado o cargo e mais avançado o nível, também aumenta a autonomia na tomada de decisões. 

Aumenta também a necessidade de gerir a si mesmo nas tarefas do dia a dia. 

  • Junior: por ser um cargo atribuído a profissionais iniciantes, o nível de responsabilidade é bem menor. Isso porque o colaborador nível júnior assume tarefas menos complexas para evoluir em seu aprendizado, sendo amparado por seus superiores durante esse processo. 
  • Pleno: no nível pleno, a responsabilidade aumenta em relação ao nível júnior. As tarefas são mais complexas e exigem experiência e conhecimento técnico mais aprofundados. É comum que o profissional pleno se reporte diretamente aos líderes, e até mesmo tenha alguma participação nas tomadas de decisões em relação à equipe, variando de empresa para empresa.
  • Sênior: aqui há um alto nível de responsabilidade, pois este profissional deve estar apto para assumir tarefas mais complexas dentro da empresa. É comum que profissionais neste patamar sejam responsáveis por gerenciar projetos e liderar equipes. Contam com autonomia para tomada de decisões, o que eleva seu nível de responsabilidade. 


Salário

O salário varia de acordo com o nível de responsabilidade e acaba sendo um dos principais pontos que diferem júnior, pleno e sênior. 

A variação salarial pode ser de até 50% entre os diferentes patamares.

Diferença salarial entre júnior, pleno e sênior

  • Júnior: entre os três níveis, é o que conta com a menor remuneração. Como este profissional está começando sua trajetória, com tarefas mais simples e que exigem menos conhecimento aprofundado, sua remuneração é compatível. 
  • Pleno: a remuneração do nível pleno é o “meio do caminho” entre os três níveis. A experiência necessária e exigência técnica fazem com que o salário seja superior ao oferecido para o júnior. Neste nível, a realização de cursos de especialização na área podem auxiliar não só tecnicamente, mas também com a melhora do salário oferecido. 
  • Sênior: é o salário mais alto dos três níveis, com uma remuneração mais atraente. Na comparação direta, o salário do sênior pode ser quatro vezes maior do que a remuneração do júnior. 

Quanto ganha um programador júnior, pleno ou sênior? 

Além do nível de experiência, essa informação também conta com outras variáveis, como a linguagem de programação em que ele é especialista. Quanto mais difícil for encontrar um profissional especializado em determinada linguagem, mais valorizado ele é, e maior é a remuneração.  

O que é hierarquia de cargos e por que é importante?

A hierarquia define a estrutura da empresa no que diz respeito aos cargos, funções e processos. 

Pense, por exemplo, em uma pirâmide. 

No nível hierárquico, os cargos mais à base da pirâmide vão responder para os cargos do nível imediatamente superior dessa mesma pirâmide. 

O que determina a hierarquia é o nível de conhecimento, o tempo de mercado e o cargo ocupado. Quanto mais ao topo da pirâmide, mais poder decisório, mais responsabilidades e maior a remuneração. 

A sistemática da hierarquia de cargos, se você bem observar, está presente de outras formas nas nossas vidas, como no âmbito familiar ou escolar, por exemplo. Esse modelo de organização conta com diversos pontos positivos. 

É possível tornar mais clara a organização de um setor ou de uma empresa, facilita o entendimento dos níveis de autoridade e proporciona segurança aos colaboradores, pois fica mais fácil saber a quem recorrer em caso de dúvidas ou problemas na execução de tarefas.  

Como descobrir em qual nível de cargo você está?

Descobrir se você é profissional júnior, pleno ou sênior não é uma tarefa que se baseia em uma fórmula específica, mas essa dúvida pode ser desvendada a partir de alguns fatores. 

Primeiro, o caminho mais fácil: se o seu cargo anterior já contava com uma classificação (“analista de testes júnior”, por exemplo), fica mais explícito o nível atual e qual será o próximo passo. 

Se não há essa clareza, é possível se basear no tempo de experiência, no nível de formação e também nos tipos de cargos pelos quais você já passou durante a carreira (analista, assistente, coordenador, supervisor etc). 

Verifique também as atribuições exigidas nas vagas de níveis júnior, pleno e sênior para entender em qual escopo você está. 

Seu nível deve aparecer no currículo?

A resposta é: depende do que você busca. 

Se você inserir no resumo profissional o nível desejado, sem que haja direcionamento para uma vaga específica, pode acabar sendo excluído de processos seletivos logo de cara por, teoricamente, não condizer com o nível requerido. 

Além disso, a compreensão do nível pode ser algo bastante variável de empresa para empresa. Por isso, a dica é: prefira descrever o seu conhecimento, as atividades já desempenhadas, os cursos realizados, e outras atribuições. 

Dessa forma, fica mais fácil para o recrutador fazer a própria avaliação em relação ao nível hierárquico buscado pela empresa versus a sua capacidade para a vaga.

Aprenda programação com a Kenzie

Na Kenzie Academy, você conta com um percurso de aprendizado completo das principais linguagens e tecnologias de programação, e sai pronto para o mercado de trabalho em apenas 12 meses.

Nosso currículo abrange tecnologias front end nos 6 primeiros meses de curso e back end nos 6 meses finais, com o objetivo de formar o melhor e mais preparado profissional full stack

Nosso curso acontece online, com aulas ao vivo, de segunda a sexta, das 9h às 15h.

Conclusão

O que é nível sênior? E pleno, o que é? Como saber se um profissional é júnior? 

Descobrimos juntos que a definição de cada nível desse leva em consideração uma série de elementos, dos mais óbvios aos mais subjetivos. 

Experiência de mercado, salário, conhecimentos técnicos e outras atribuições são essenciais para definir o nível profissional. 

Se você busca conhecimento aprofundado e com alta qualidade técnica, aprenda com a Kenzie!

0

Escreva o primeiro comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *