Quem ganha mais front-end ou back-end? Quais principais diferenças?

Quem ganha mais front-end ou back-end? Quais principais diferenças?


Entrar no mercado de trabalho ou mudar de carreira pode ser muito desafiador a depender da área em que escolhemos trabalhar.

Para os menos experientes, ainda há toda a insegurança típica dos iniciantes na hora de escolher uma especialização, uma área de aprofundamento ou um modo de estudar.

Se você deseja tornar-se um programador ou programadora, com certeza já se deparou com termos como front-end e back-end, além de muitos outros.

Mas, afinal, o que significam essas nomenclaturas, qual a diferença entre estas duas áreas e qual delas remunera melhor?

É sobre o que falaremos no conteúdo de hoje. Vamos lá?

O que é desenvolvimento front-end?

Desenvolvimento front-end é todo o desenvolvimento de uma aplicação que diz respeito à sua parte visível.

Em outras palavras, podemos dizer que o programador ou programadora front-end é aquele responsável por toda a parte com a qual o usuário vai interagir, ou seja, o “rosto” do site, aplicativo ou software — sua interface.

O que é desenvolvimento back-end?

Desenvolvimento back-end é aquele voltado à estrutura de uma aplicação, sendo assim responsável por todo o seu funcionamento interior e invisível ao usuário final.

O profissional back-end domina todas as conexões de uma interface com outros elementos importantes para a execução de suas ações, como bancos de dados e servidores.
 

Qual a diferença entre cada um?

A principal diferença entre front e back-end é que, apesar de um complementar o outro, um está mais alinhado às expectativas do usuário final, porque é o que ele vê, enquanto o outro só precisa fazer com que essa expectativa não se frustre, colaborando para que todas as ações do usuário funcionem perfeitamente.

Imagine que, ao acessar um site, tudo o que você consegue enxergar tenha sido feito por um programador ou programadora front-end.

Por trás de todos estes botões, envios, produtos ou seja lá o que estiver sendo exposto, há um completo sistema de envio e recebimento de informações, além de conexões com o navegador e outras tarefas que garantem a possibilidade de se executar uma ação, como fazer uma compra, por exemplo.

Toda essa estrutura interna fica a cargo do(a) programador ou programadora back-end.

Qual é mais difícil back-end ou front-end?

Apesar de haver algumas lendas indicando a programação back-end como a mais difícil por lidar com estruturas complexas, é preciso dizer que as duas possuem seus graus de complexidade em equidade.

Ambas as frentes possuem tecnologias específicas para facilitar seus processos, como bibliotecas e frameworks baseados em linguagens de programação específicas para front ou back ou que funcionem nas suas áreas, como o JavaScript, por exemplo.

Construir scripts e garantir uma boa experiência de navegação para quem utiliza um site ou aplicativo é uma atribuição de grande importância e responsabilidade, bem como ser capaz de garantir que todas as informações enviadas por uma interface sejam corretamente interpretadas.

O que define a complexidade de um código é a aplicação que está sendo construída e as tecnologias envolvidas neste processo, e não necessariamente a parte da programação que é de responsabilidade do(a) profissional.

Qual a melhor área de tecnologia que dá mais dinheiro?

Segundo dados de uma pesquisa realizada pelo GeekHunter em 2020, o cargo mais bem remunerado na área de desenvolvimento é o de desenvolvedor(a) mobile, seguido por programador(a) full stack e programador(a) back-end.

De acordo com um levantamento da revista Exame, a área da programação que mais valoriza financeiramente seus profissionais é a de Arquitetura da Informação, seguida por Sistemas e Banco de Dados/DBA.

Tudo isso, é claro, nos dá uma ideia, mas o que define o salário de um(a) profissional de TI é a sua tecnologia de especialidade e sua experiência na área.

Seguindo a mesma do GeekHunter, as linguagens e conhecimentos mais valorizados são Python, Node.js, e Angular.js.

Quanto ganha um desenvolvedor front-end por hora?

Números da pesquisa do GeekHunter estipulam que o salário de um(a) front-end validado pelo mercado varia entre R$4.000,00 e R$13.000,00, na cidade de São Paulo.

Isso dá uma média de R$23,00 por hora para os menos experientes e/ou iniciantes, até R$74,00 por hora para os mais consolidados.

Estes valores, no entanto, variam de região para região do país.

Quanto ganha um desenvolvedor back-end por hora?

Segundo a mesma pesquisa, o salário de um(a) back-end varia entre R$4.000,00 e R$14.000,00, na cidade de São Paulo.

Por hora, as médias variam entre R$23,00 a R$80,00, do menos ao mais experiente, a depender também do cargo ocupado dentro da empresa.

Quanto ganha um desenvolvedor front-end sênior?

Um profissional sênior é aquele considerado experiente e com conhecimento o suficiente para estar alguns níveis acima daqueles que estão na área há menos tempo.

Geralmente, desenvolvedores e desenvolvedoras sênior ocupam cargos de liderança dentro das organizações, fazendo a gestão de equipes e projetos de maneira mais autônoma.

Para os que trabalham por conta própria, ser considerado(a) um profissional sênior significa remunerações mais altas na hora de cobrar por projetos, o que garante mais liberdade financeira.

Um(a) desenvolvedor(a) front-end sênior possui, segundo dados citados algumas linhas acima, salários que podem chegar a R$14.000,00, em média.

É claro que este valor pode ser ainda maior a depender dos conhecimentos e do nível hierárquico do profissional.

Aprenda programação na Kenzie

Se você quer ser um programador ou programadora, a Kenzie Academy Brasil é o seu lugar.

Aqui, além de ter contato com novas tecnologias e aprender na prática, você ainda possui disciplinas 100% voltadas ao que chamamos de soft skills, ou habilidades comportamentais necessárias para um bom ingresso no mercado de trabalho.

Aprenda a fazer uma carta de apresentação eficiente, como se portar em entrevistas, gestão de tempo e como comunicar-se assertivamente dentro de uma equipe.

Conclusão

É importante lembrar, antes de finalizarmos, que escolher a sua área de trabalho não deve ser uma decisão exclusivamente baseada nas médias salariais que elas pagam, uma vez que bons profissionais são disputados dentro do mercado em quaisquer setores.

O que vale é ter diferencial, ser criativo na solução de problemas e ganhar cada vez mais experiência durante a carreira.

Boa sorte!

Se você gostou desse conteúdo e gostaria de entrar na área de programação, eu recomendo você conhecer mais sobre a Kenzie Academy Brasil.

0

Escreva o primeiro comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *